NOTÍCIAS

livro_da_luiz_e_da_sombra

Recordações Digitais
O livro "da luz (e) da sombra" já está disponível para venda ao público. Com prefácio de Ricardo Dias, trata-se de uma colecção de imagens da autoria de vários fotógrafos portugueses e brasileiros residentes em todo o mundo e tem o selo da Edições Vieira da Silva. Todos os lucros da venda desta obra revertem a favor da Elo Social, Associação para a Integração e Apoio ao Deficiente Mental Jovem e Adulto.
http://www.bertrand.pt

recuperaca_de_ficheiros

Recuperação de ficheiros

A perda de ficheiros armazenados em dispositivos de memória digital tem os dias contados. O RecoveRx, desenvolvido pela Transcend, é um programa que permite ao utilizador analisar um dispositivo de armazenamento em busca do “rasto” de ficheiros eliminados e depois recuperá-los. O RecoveRX está disponível para download gratuito no site da Transcend.
http://www.transcendusa.com




Adobe Photoshop CS5
A Adobe acaba de disponibilizar as novas versões do Photoshop
e do Photoshop Extended. Entre os novos recursos, o destaque do Photoshop CS5 é o Content-Aware Scaling, que permite aos utilizadores editar uma imagem e redimensioná-la sem perder a maior parte das áreas interessantes da foto e sem perder a proporção. Outra aspecto que merece ser destacado é a possibilidade de manipular imagens em 3D com maior facilidade do que antes, sendo que agora pode pintar directamente em modelos e superficies 3D e animar objectos. A integração com o Lightroom, também foi melhorada nesta actualização.

www.adobe.com



Canon EOS 60D
Aqui está a sucessora da Canon 50D. Posicionada directamente entre as EOS 550D e EOS 7D, esta Canon EOS 60D vem refrescar a gama de reflexs digitais para utilizadores avançados de um dos maiores fabricantes de câmaras fotográficas. A EOS 60D vem equipada com um sensor no formato APS-C com uma resolução de 18 megapixels (o mesmo que equipa a 7D) apoiado por um sistema de focagem automática de 9 pontos (todos em cruz) e um processador DiGiC 4 que permite uma sensibilidade máxima de 12.800 ISO e uma velocidade de disparo contínuo de 5,3 imagens por segundo. Além disso a EOS 60D conta com uma ocular de 96% e ampliação de 0,95x, um modo de vídeo 1080p a 30fps (codificado em H.264), uma entrada para um microfone estéreo, uma saída HDMI-CEC e uma entrada para um cartão de memória SD/SDHC/SDXC
http://www.canon-europe.com/

Nikon D5100
A D5100 é uma D-SLR de alto desempenho concebida para estimular o seu lado criativo e ajudá-lo a criar imagens fixas e vídeos como nenhuma outra. O monitor multi-ângulo giratório combina-se com a função D-movie da câmara a fim de permitir disparos únicos de qualquer ângulo. Pode fazer imagens fixas ou filmagens utilizando um efeito especial para adicionar uma sensação de magia. As imagens High Dynamic Range permitem captar imagens fixas extraordinariamente detalhadas de cenas de alto contraste. A forma perfeita de captar a sua visão do mundo, esta câmara foi feita com a liberdade de expressão em mente.
http://www.nikon.pt

Adobe Photoshop Lightroom 3.0
Se for um fotógrafo amador avançado ou profissional, você precisará de uma ampla variedade de ferramentas para manter seus projectos digitais criativos e organizados. O Adobe Photoshop Lightroom 3.0 fornece todos os princípios básicos em um pacote intuitivo.
O Adobe Photoshop Lightroom 3.0 oferece uma variedade de recursos novos e aprimorados, incluindo desempenho mais rápido, redução de ruído e correcção de lente, suporte para arquivos DSLR, vídeos com apresentações de slides com música fáceis decompartilhar, e muito mais.
www.adobe.com

hasselblad_H3DII

Hasselblad H3D-II
A linha de produtos H3D da Hasselblad consegue hoje um nível de maturidade digital e integração com o lançamento da H3D-II, a quarta geração do sistema de máquinas fotográficas digitais, e uma que agora pode, com justa causa, reivindicar ser a melhor máquina fotográfica SLR digital do mundo. Oferecendo uma qualidade de imagem insuperável fornecida através de uma combinação fantástica de lentes, hard‑ware e software, a H3D-II é a líder DSLR no segmento topo de gama, agora reconhecido no mercado fotográfico.
A nova H3D-II já está disponível mundialmen­te através das filiais e parceiros da Hasselblad e com o valor de mercado de 26.500€ pela H3DII-39 (39 megapixels), 21.500€ pela H3DII-31 (31 megapixels), e 17.900€ pela H3DII-22 (22 megapixels), preços sem IVA.
Mais informações: www.comercialfoto.pt 
www.hasselblad.com

canon_powerShot_S5_IS

A nova  Conon EOS-1Ds Mark III com 21 megapíxeis a cinco fotogramas por segundo. Os dois processadores DIGIC III, um ISO de 100-1600 e um sensor CMOS de tamanho equivalente ao 35 mm tornam tudo ainda mais vantajoso.
Este  modelo EOS herdou algumas características da já conhecida EOS-1D, nomeadamente o sistema de focagem automática de 19 pontos tipo cruz, o LCD de três polegadas e o sistema de limpeza.
Corpo: € 6.450.00
http://www.canon-europe.com/

album_digital_hofmann

Album Digital Hofmann
Agora pode ter as suas fotografias num album digital impresso e encadernado como um livro. Pode descarregar gratuitamente o programa para depois realizar no seu PC o album digital. Mais informações no site:
http://www.albumdigital.
com

Corel Paint ShopPro PhotoXI

Paint Shop Pro Photo X4
A Corel acaba de lançar o Paint Shop Pro X4, é um programa para os amantes da fotografia. O programa é extremamente simples de usar, e está repleto de vários efeitos que se podem aplicar em fotos. Um sistema de ajuda em tempo real (Learning Center), é muito fácil começar a trabalhar e obter resultados profissionais rápidamente.O novo Express Lab é outra nova funcionalidade associada ao Paint Shop Pro Photo X4 a partir da qual é possível ver, organizar e processar fotografias de forma mais rápida.
Valor comercial:  € 89
http://www.corel.com/

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Os Pioneiros - Progresso e retratos - A fotografia tradicional - A revolução fotográfica
História – Progresso e retratos
Sir John Herschel
Sir John Hersche
Sir John Herschel, cientista e amigo de Talbot, que sugeriu o uso de diversos processos químicos, inclusive o do hipossulfito como agente fixador. Cunhou a palavra «fotografia» (1839) e introduziu os termos «positivo» e «negativo» na nomenclatura referente ao calótipo.
Frederick Scott Archer
Frederick Scott Archer
Frederick Scott Archer, o inventor do processo de colódio húmido (1851), responsável por tornar obsoletos tanto os calótipos como os talbótipos.
Sir James Clerk Maxwell
Sir James Clerk-Maxwel
Sir James Clerk-Maxwell, físico escocês e o primeiro a demonstrar o princípio da combinação das cores, em 1861.
A evolução da máquina fotográfica
O aperfeiçoamento da máquina fotográfica caracteriza-se pela sua crescente sofisticação e tamanho sempre mais reduzido; a Brownie e a Leica caberiam facilmente na palma de uma das mãos, enquanto a Giroux media 31,1 x 36,7 x 26,7 cm fechada, e 50,8 cm aberta. Embora o plástico desempenhe hoje um papel de importância na fabricação das câmaras, todas as armações de tamanho grande já haviam sido superadas quando o modelo Leica surgiu pela primeira vez, em 1913. A excepção mais digna de nota é a máquina reflex monobjectiva (SLR) de negativos de 35 mm, cuja fabricação foi iniciada na década de 1930.
Construida André Giroux
A primeira câmara para daguerreótico
Construída por André Giroux, a primeira câmara para daguerreótipos a ser comercializada compunha-se de dois estojos que se encaixavam, um dentro  do outro, para focar a objectiva na tela de vidro despolido, atrás. Um simples disco de metal na frente da objectiva era o obturador. A lente tinha uma distância focal de 38 cm
e uma abertura útil de f/14.
Usada Talbot
Usada por Talbot
Usada por Talbot por volta de 1840 para produzir alguns dos seus primeiros negativos, esta máquina possuía uma simples objectiva de microscópio e armação ajustável. O orifício de focagem podia ser fechado (em cima, à direita) com uma rolha; o papel sensível ficava preso à superfície interna atrás da caixa..
A partir de 1851
A partir de 1851
A partir de 1851, as câmaras para chapas húmidas substituíram rapidamente os processos de daguerreotipia e calotipia, porém a invenção da gelatina, por sua vez, não tardou a fazer da chapa seca o elemento predominante na fotografia.
Lançada em 1888
Lançada em 1888
Lançada em 1888, a Kodak de George Eastman permitia que se fizessem cem exposições com um filme em rolo. Qualquer objecto situado a uma distância superior a 1,2 m encontrava-se automaticamente em foco. Para revelar o filme era necessário enviar a máquina de volta à fábrica.
 
 
  Se a contribuição de Daguerre à fotografia foi extensa mas temporária, a de Talbot foi mais restrita, porém duradoura. Embora Talbot permitisse aos amadores e cientistas usarem livremente o seu processo, exigia, à semelhança de Daguerre, que os profissionais obtivessem uma autorização paga. Apesar de contar com o apoio de eminentes cientistas, Talbot acabou por perder uma acção judicial, sobre patentes, movida contra o fotógrafo londrino Laroche. Este contestara, em 1852, a sua alegação de que os processos químicos do calótipo e o novo sistema de colódio húmido seriam, em essência, praticamente idênticos. Não obstante, a reivindicação de Talbot, no tocante à prioridade da invenção, foi confirmada pelos tribunais ingleses.
  Todavia, antes mesmo da relutante capitulação de Talbot, o seu método já fora superado pelo processo de colódio húmido, inventado por Frederick Scott Archer, em 1851. Esse sistema incluía o revestimento de uma chapa de vidro com uma solução de nitrato de celulose, onde havia um iodeto solúvel e a sua sensibilização com nitrato de prata. A chapa era humedecida antes de ser exposta na máquina fotográfica, sendo depois revelada com pirogalol ou com um sal ferroso.
  O colódio húmido, embora fosse inconveniente, pouco flexível e bastante complexo, acabou por dar excelentes resultados e foi o responsável directo pelo nascimento da fotografia temática, área onde se destacam como exemplos mais célebres as fotos tiradas por Roger Fenton durante a Guerra da Crimeia e por Mathew Brady durante a Guerra de Secessão nos Estados Unidos. Ao seu advento pode ser também atribuída a morte do daguerreótipo, pois, além de menos dispendioso, o novo processo possibilitava a obtenção de cópias, sem maiores problemas.
  No final da década de 1870, porém, a própria chapa húmida tornara-se obsoleta. Em 1871, Richard Leach Maddox, um médico inglês, inventou a primeira chapa manipulável, usando gelatina para manter o brometo de prata no lugar; dois anos depois, era comercializada a emulsão gelatinosa, e por volta de 1877, encontravam-se no mercado placas de alta sensibilidade, acondicionadas em caixas, prontas para serem usadas. Já não havia necessidade de untar as chapas antes da exposição, ou de revelá-las imediatamente a seguir.
  Contudo, a chapa seca de gelatina não se limitou a simplificar a técnica fotográfica, deu também origem a uma revolução no desenho das câmaras, reduzindo o equipamento do fotógrafo ao mínimo indispensável usado até hoje. O novo material era rápido o suficiente para o registo de cenas em movimento, desde que as máquinas fossem providas de um obturador instantâneo. Os fabricantes reagiram de imediato e, no decorrer das duas décadas subsequentes, o mercado foi tomado de assalto por máquinas de todos os tamanhos e formatos.
  Pouco depois de o papel de brometo rápido tornar possíveis as ampliações, as máquinas fotográficas portáteis, cujas medidas eram de um quarto da placa de 10,16 x 12,70 centímetros, firmaram-se como expoentes de popularidade na Grã-Bretanha e América do Norte, tendo como equivalente, na Europa, uma câmara com 9 x 12 centímetros.
  A nova geração mais leve, compacta e de manejo relativamente fácil incluía quatro modelos principais: com change box, com armazém, com chassi e filme em rolo, além da reflex.
  A primeira, surgida na década de 1850, era vendida com cerca de dez chapas de vidro ou de filme recortado, com uma change box sobressalente; ao ser acoplada à máquina, ela permitia que o filme fosse trocado à luz do dia. A câmara com armazém trazia entre doze a quarenta placas ou filmes recortados, com um armazém e um compartimento situado no seu interior, sendo a chapa substituída, após a exposição, por meio de diversos métodos, dos quais o mais comum consistia em deixar a placa usada cair no fundo do corpo da máquina. As câmaras com chassis e filmes em rolos usavam películas flexíveis ao invés de chapas de vidro ou filmes recortados, e terminaram por suplantar as outras. Um dos primeiros exemplos é a máquina dobrável, de filme em rolo, de Warnercke: surgida em 1875, caracterizava-se por um trilho único e um mecanismo de transporte.
A brownie
A Brownie
A Brownie, vendida por 1 dólar, ou 5 xelins, tornou finalmente a fotografia acessível ao grande público, em 1900. Aqui é apresentada com um visor opcional.
A Leica
A Leica
A Leica, lançada no mercado em 1925, foi a primeira máquina fotográfica miniaturizada de precisão. Graças ao seu obturador de plano focal e transportador de filme acoplado, preparou o terreno para a revolução ocorrida no sistema de fotografia de 35 mm. Ela continua a ser a melhor máquina de 35 mm não-reflex.
A era do retrato_1
A era dos retratos
A possibilidade de tirar retratos fiéis, com rapidez e poucos gastos, foi o segredo da pronta popularização da fotografia e, em especial, dos processos do daguerreótipo e das chapas molhadas. Em 1849, o poeta francês Charles Baudelaire deplorava «esta sociedade sórdida, pois induz os narcisos a uma exultação unânime sobre um pedaço de metal». Não obstante, posou para um retrato, tirado por Étienne Carjat..
A era do retrato_2
A era dos retratos
Outros satirizavam o fotógrafo e os seus métodos. Por volta de 1850, havia 71 galerias de retratos em Nova Iorque, e um número quase equivalente em Londres.
Nadar
Nadar
Gaspar Félix Tournachon, ou Nadar, era sem dúvida o mais famoso de todos os fotógrafos de retratos em actividade durante a época em que essa moda teve o seu auge (1845-90).
Nadar balão
Nadar
Uma das suas façanhas foi ser o primeiro a fotografar de um balão, as interpretações da proeza, feitas pela imprensa e pelo seu assistente, respectivamente, são apresentadas nestas imagens, porém, conseguiu causar impacto ainda maior, cinco anos mais tarde, com o Géant, o maior balão da Europa.
Sara Bernhardt
Sara Bernhardt
Ex-caricaturista e escritor, Nadar interessou-se pela fotografia em 1853 e, além de retratar praticamente todas as personalidades ilustres de Paris (inclusive Sara Bernhardt, foi também o pioneiro em diversos campos. Encontrava-se entre os primeiros dos muitos que fizeram experiências com a luz eléctrica na fotografia e foi o primeiro a tirar fotos subterrâneas (das catacumbas de Paris, em 1861) e a promover uma entrevista fotográfica, para a qual convidou o químico centenário M.E. Chevreul, em 1886. Foi no estúdio de Nadar que os pintores impressionistas expuseram pela primeira vez as suas obras.
Carte_de_visite
Carte-de-visite
Em 1854, André Disderi patenteou um sistema para tirar diversos retratos (até dez) numa única chapa. A carte-de-visite, já um excelente negócio, transformou-se em verdadeira mania a partir de 1859, quando Napoleão III, ao conduzir as suas tropas para fora de Paris a fim de lutar contra os austríacos, se deteve à porta do estúdio de Disderi, pois desejava um retrato múltiplo. No auge dessa moda as cartes das celebridades vendiam-se aos milhares. Disderi abriu filiais em Madrid e Londres, mas morreu cedo, surdo e na miséria, em 1890.
 
 
CONCURSOS


Concurso de Fotografia da National Geographic
2011

As inscrições começam no dia 01 setembro de 2011
e termina 30 de novembro de 2011. Cada entrada consiste em um formulário de inscrição, uma única imagem, e uma taxa de ingresso. A taxa de inscrição é 15 dólares EUA por ingresso.
Para participar, visite
www.ngphotocontest.com
Prais de Albufeira
Concurso de fotografia "Descobre e Fotografa as Praias de Albufeira"
edição de 2011
Mais informações: http://www.cm-albufeira.pt



II Prémio de Arte Grünenthal
Grünenthal Pharma S.A.
(Grünenthal) convida o II Prémio de Arte Grünenthal,
“Que a dor não seja mais do que uma recordação”
dedicado em 2011 à
fotografia, de acordo como seguinte regulamento em:
http://www.grunenthal.pt



"Olhares sobre o Património Ribeirinho»
1.º Concurso de Fotografia “Olhares sobre o Património Ribeirinho” é promovido pela Associação Naval Sarilhense, e, conta com o apoio da Administração do Porto de Lisboa, Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia de Sarilhos Pequenos, Instituto de Dinâmica do Espaço da Universidade Nova de Lisboa e Turi-Portugal – Associação de Turismo de Portugal. Concurso estará a decorrer até ao dia 14 de Outubro.
http://www.rostos.pt



Concurso de Fotografia: Floresta, a nossa herança global
No âmbito do Ano Internacional das Florestas, a LPN e a Caixa Geral de Depósitos promovem um Concurso de Fotografia sobre a Floresta Portuguesa “Floresta, a nossa herança global”, que decorrerá entre 15 de Julho e 25 de Setembro de 2011.O concurso de fotografia tem como objectivo sensibilizar o público para o património florestal de Portugal, incentivando cada um de nós a ter uma atitude mais sustentável e uma maior consciencialização ambiental para a preservação e conservação de todo o ecossistema florestal. O desafio consiste em captar, através de uma fotografia, todo o magnetismo inerente à floresta.
http://naturlink.sapo.pt/



NOVO TALENTO FNAC FOTOGRAFIA 2011
O Prémio Novo Talento FNAC Fotografia 2011 é o destaque que a FNAC dedica a fotógrafos promissores e ainda desconhecidos que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho, à margem das correntes,
desprendido de estilos e de modas. O Prémio Novo Talento FNAC Fotografia 2011 está aberto a qualquer
tendência fotográfica, sem excepção, permitindo assim que se revelem novos valores e novas perspectivas da Fotografia. A convocatória para entrega de candidaturas decorre de 3 de Junho a 30
de Setembro de 2011.
http://cultura.fnac.pt/
novostalentos/fotografia/2011