NOTÍCIAS

livro_da_luiz_e_da_sombra

Recordações Digitais
O livro "da luz (e) da sombra" já está disponível para venda ao público. Com prefácio de Ricardo Dias, trata-se de uma colecção de imagens da autoria de vários fotógrafos portugueses e brasileiros residentes em todo o mundo e tem o selo da Edições Vieira da Silva. Todos os lucros da venda desta obra revertem a favor da Elo Social, Associação para a Integração e Apoio ao Deficiente Mental Jovem e Adulto.
http://www.bertrand.pt

recuperaca_de_ficheiros

Recuperação de ficheiros

A perda de ficheiros armazenados em dispositivos de memória digital tem os dias contados. O RecoveRx, desenvolvido pela Transcend, é um programa que permite ao utilizador analisar um dispositivo de armazenamento em busca do “rasto” de ficheiros eliminados e depois recuperá-los. O RecoveRX está disponível para download gratuito no site da Transcend.
http://www.transcendusa.com




Adobe Photoshop CS5
A Adobe acaba de disponibilizar as novas versões do Photoshop
e do Photoshop Extended. Entre os novos recursos, o destaque do Photoshop CS5 é o Content-Aware Scaling, que permite aos utilizadores editar uma imagem e redimensioná-la sem perder a maior parte das áreas interessantes da foto e sem perder a proporção. Outra aspecto que merece ser destacado é a possibilidade de manipular imagens em 3D com maior facilidade do que antes, sendo que agora pode pintar directamente em modelos e superficies 3D e animar objectos. A integração com o Lightroom, também foi melhorada nesta actualização.

www.adobe.com



Canon EOS 60D
Aqui está a sucessora da Canon 50D. Posicionada directamente entre as EOS 550D e EOS 7D, esta Canon EOS 60D vem refrescar a gama de reflexs digitais para utilizadores avançados de um dos maiores fabricantes de câmaras fotográficas. A EOS 60D vem equipada com um sensor no formato APS-C com uma resolução de 18 megapixels (o mesmo que equipa a 7D) apoiado por um sistema de focagem automática de 9 pontos (todos em cruz) e um processador DiGiC 4 que permite uma sensibilidade máxima de 12.800 ISO e uma velocidade de disparo contínuo de 5,3 imagens por segundo. Além disso a EOS 60D conta com uma ocular de 96% e ampliação de 0,95x, um modo de vídeo 1080p a 30fps (codificado em H.264), uma entrada para um microfone estéreo, uma saída HDMI-CEC e uma entrada para um cartão de memória SD/SDHC/SDXC
http://www.canon-europe.com/

Nikon D5100
A D5100 é uma D-SLR de alto desempenho concebida para estimular o seu lado criativo e ajudá-lo a criar imagens fixas e vídeos como nenhuma outra. O monitor multi-ângulo giratório combina-se com a função D-movie da câmara a fim de permitir disparos únicos de qualquer ângulo. Pode fazer imagens fixas ou filmagens utilizando um efeito especial para adicionar uma sensação de magia. As imagens High Dynamic Range permitem captar imagens fixas extraordinariamente detalhadas de cenas de alto contraste.A forma perfeita de captar a sua visão do mundo, esta câmara foi feita com a liberdade de expressão em mente.
http://www.nikon.pt

Adobe Photoshop Lightroom 3.0
Se for um fotógrafo amador avançado ou profissional, você precisará de uma ampla variedade de ferramentas para manter seus projectos digitais criativos e organizados. O Adobe Photoshop Lightroom 3.0 fornece todos os princípios básicos em um pacote intuitivo.
O Adobe Photoshop Lightroom 3.0 oferece uma variedade de recursos novos e aprimorados, incluindo desempenho mais rápido, redução de ruído e correcção de lente, suporte para arquivos DSLR, vídeos com apresentações de slides com música fáceis decompartilhar, e muito mais.
www.adobe.com

hasselblad_H3DII

Hasselblad H3D-II
A linha de produtos H3D da Hasselblad consegue hoje um nível de maturidade digital e integração com o lançamento da H3D-II, a quarta geração do sistema de máquinas fotográficas digitais, e uma que agora pode, com justa causa, reivindicar ser a melhor máquina fotográfica SLR digital do mundo. Oferecendo uma qualidade de imagem insuperável fornecida através de uma combinação fantástica de lentes, hard‑ware e software, a H3D-II é a líder DSLR no segmento topo de gama, agora reconhecido no mercado fotográfico.
A nova H3D-II já está disponível mundialmen­te através das filiais e parceiros da Hasselblad e com o valor de mercado de 26.500€ pela H3DII-39 (39 megapixels), 21.500€ pela H3DII-31 (31 megapixels), e 17.900€ pela H3DII-22 (22 megapixels), preços sem IVA.
Mais informações: www.comercialfoto.pt 
www.hasselblad.com

canon_powerShot_S5_IS

A nova  Conon EOS-1Ds Mark III com 21 megapíxeis a cinco fotogramas por segundo. Os dois processadores DIGIC III, um ISO de 100-1600 e um sensor CMOS de tamanho equivalente ao 35 mm tornam tudo ainda mais vantajoso.
Este  modelo EOS herdou algumas características da já conhecida EOS-1D, nomeadamente o sistema de focagem automática de 19 pontos tipo cruz, o LCD de três polegadas e o sistema de limpeza.
Corpo: € 6.450.00
http://www.canon-europe.com/

album_digital_hofmann

Album Digital Hofmann
Agora pode ter as suas fotografias num album digital impresso e encadernado como um livro. Pode descarregar gratuitamente o programa para depois realizar no seu PC o album digital. Mais informações no site:
http://www.albumdigital.
com

Corel Paint ShopPro PhotoXI

Paint Shop Pro Photo X4
A Corel acaba de lançar o Paint Shop Pro X4, é um programa para os amantes da fotografia. O programa é extremamente simples de usar, e está repleto de vários efeitos que se podem aplicar em fotos. Um sistema de ajuda em tempo real (Learning Center), é muito fácil começar a trabalhar e obter resultados profissionais rápidamente.O novo Express Lab é outra nova funcionalidade associada ao Paint Shop Pro Photo X4 a partir da qual é possível ver, organizar e processar fotografias de forma mais rápida.
Valor comercial:  € 89
http://www.corel.com/

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Os Pioneiros - Progresso e retratos - A fotografia tradicional - A revolução fotográfica
História - A revolução fotográfica
Camaras detectives
Câmaras detectives
O novo sistema de chapas secas possibilitou a produção dessas máquinas, que se popularizaram a partir de 1881, quando Thomas Bolas projectou a sua câmara detective tipo caixote manual, iniciando verdadeira mania por máquinas disfarçadas como pacotes, sacolas, armas, binóculos e peças de vestuário, como gravatas. Esta máquinas em forma de livro usavam filmes de rolo.
estas_maquinas_forma_bengala
Máquinas em forma de bengala
Estas máquinas em forma de bengala também usavam filmes de rolo.
A tica em forma relógio
A Ticka
A Ticka, em forma de relógio, com carretos de filmes para 25 fotos, era carregada à luz do dia. Em geral as suas objectivas eram pouco resistentes e os resultados insatisfatórios, sendo a maioria delas pouco mais do que brinquedos caros e divertidos para os ricos.
As unicas partes visiveis
Máquinas em forma de gravata
As únicas partes visíveis destas câmaras em forma de atar de gravata eram a objectiva, disfarçada de alfinete, e um botão para avanço do filme.
 
 
 
 
 
 
  Se o mérito de tornar os prazeres da fotografia acessíveis ao público cabe a uma única pessoa, ela é, incontestavelmente, George Eastman.
  O seu interesse pela nova técnica foi despertado em 1877 tinha então 23 anos de idade e era funcionário de um banco situado em Rochester, Nova Iorque, quando comprou o equipamento necessário ao processo de colódio húmido e começou a ter aulas com um profissional, na sua cidade. Contudo, sentia uma crescente insatisfação com aquele processo confuso, trabalhoso e dispendioso “parecia-me não ser necessário andar tão carregado como uma mula de carga”, pensou ele, e assim, depois de ler um artigo sobre a emulsão de gelatina sensível, no British Journal of Photography, decidiu experimentar o novo método.
  Por volta de 1880, Eastman já havia começado a fabricar e a vender a sua própria produção, e no ano seguinte deixou o emprego no banco para fundar a Eastman Dry Plate Company (Companhia Eastman de Chapas Secas).
  Em 1884, William H. Walker, um fabricante de máquinas fotográficas, ingressou na firma e juntos, ele e Eastman, inventaram um acessório, um chassi, que, além de encerrar um rolo de papel montado sobre uma base protectora e suficiente para 24 exposições, podia ser encaixado em qualquer câmara padrão, para fotos em chapa.
  Eastman ambicionava, porém, elaborar um sistema fotográfico através do qual a pessoa simplesmente tirasse a foto e nada além disso.
  Depois de uma tentativa coroada por relativo êxito, em 1886, ele lançou a Kodak (um nome para ser pronunciado em qualquer país do mundo), no ano de 1888. Tratava-se de uma câmara pequena (9,2 x 7,9 x 16,5 centímetros); o chassi completo encerrava um rolo de filme com 6,35 centímetros de largura, com o qual se obtinham cem exposições circulares. O obturador cilíndrico era armado por cordão e disparado por meio de um botão; o filme era transportado quando se girava um pino e a máquina tinha apenas uma velocidade (1,25 segundo), uma abertura e uma objectiva rectilínea de foco fixo.
  “O seu uso dispensa estudos preliminares, laboratórios ou produtos químicos”, escreveu Eastman no manual de instruções. E foi aquela a verdadeira revolução, pois o fotógrafo agora devia apenas bater a chapa.
  Eastman oferecia ainda um serviço complementar de toda a revelação: o dono enviava a câmara de volta à fábrica e ela era-lhe devolvida recarregada e com cem cópias montadas em cartão. O preço da máquina era de 25 dólares na América do Norte e 10 guinéus na Grã-Bretanha; o serviço ficava em 10 dólares, ou 2 guinéus.
  Lançada com o slogan: “Você prime o botão, nós fazemos o resto”, a câmara alcançou um êxito impressionante. “A frase conquistou o mundo todo”, explicou o fotógrafo e autor Walt Brummitt, em parte por ser facilmente memorizada, mas sobretudo por ser verdadeira. E assim nasceu a moderna fotografia.
  Os aperfeiçoamentos e outras inovações não demoraram a surgir. Eastman sentia-se preocupado com o alto custo necessário à revelação do filme destacável. Henry M. Reichenbach, um dos químicos da companhia, procurava aprimorar o espesso celulóide então disponível sob a forma de filme plano, pois pretendia descobrir um material tão flexível como o papel, e tão transparente como o vidro. No início de 1889, já havia conseguido aperfeiçoá-lo, e naquele mesmo ano iniciou-se a produção de filmes em celulóide transparente tanto para a Kodak como para as máquinas de filmes de rolos.
  Também em 1889, Eastman lançou mais duas câmaras: uma nova versão da Kodak com um obturador modificado (denominada “N.º 1”) e um modelo maior, capaz de tirar negativos com 8,9 centímetros de diâmetro.
  Por volta de 1890, já existiam no mercado mais cinco modelos, dois deles dobráveis. Todos utilizavam filmes em rolo, colocados no laboratório. As câmaras que podiam ser carregadas à luz natural foram introduzidas no mercado no ano seguinte.
  Embora tanto a produção como os progressos fossem notáveis, Eastman ainda tentava encontrar métodos para reduzir os preços, e solucionou o problema com o filme de rolo em cassete: a Kodak de bolso começou a ser vendida em 1895 por 1 guinéu, ou 5 dólares. Era uma câmara de dimensões muito menores (5,7 x 5,7 x 7,8 centímetros), tirando doze fotografias de 3,80 x 6,35 centímetros. Um novo modelo dobrável, destinado a aumentar o tamanho das fotos, surgiu em 1897.
  Espantosamente, Eastman foi ainda mais longe. Havia milhões de pessoas com baixo poder aquisitivo, e isso deu ensejo à criação de um novo modelo, mais simples. Apesar de ter sido idealizado por Frank A. Brownell em 1900, recebeu o nome de uma personagem contemporânea de histórias em quadradinhos, da autoria de Palmer Cox. Tratava-se da Brownie, talvez a máquina fotográfica mais célebre da história, capaz de tirar fotos de qualidade, com 6 x 6 centímetros, em filme de rolo em cassete ao preço de 5 xelins, ou 1 dólar.
  Finalmente, a fotografia foi colocada ao alcance de todos. “Agora, qualquer pessoa tem uma Brownie”, lastimou-se o fotógrafo Alvin Lagdon Coburn, “e um instantâneo tornou-se tão corriqueiro como uma caixa de fósforos.”
  Enquanto Eastman estava ocupado com a conquista do novo mercado popular, lançavam-se os alicerces das áreas mais sofisticadas da fotografia. A primeira máquina de duas objectivas, com lentes interligadas, de foco simultâneo, foi fabricada por R. & J. Beck, em 1880; em 1888, S. D. McKellen tirou a patente da primeira máquina reflex na qual o espelho se deslocava automaticamente durante a exposição, pois era ligado a um obturador de cortina.
  Desde o inicio deste século, a história passou a caracterizar-se mais pelo refinamento e aperfeiçoamento do que por inovações ou invenções: a Ermanox, com chapa única de precisão , f/1.8 (1924); a excelente Leica, precursora de todas as câmaras de 35 mm (1925); a Rolleiflex TLR (ou reflex de objectivas gémeas), projectada por Franke e Heidecke (1928); a SLR (ou reflex monobjectiva) de 35 mm (surgida na década de 30); o filme Kodachrome em 16 mm (1935) e 35 mm (1936); o Polaróide em preto e branco (1949) e em cores (1963); e a Instamatic de cassete 126, lançada, também, em 1963.
Primeiras fotos de movimento
Primeiras fotos de movimentos em sequência
O primeiro exemplo de fotografias em série resultou de um aposta entre o magnata de caminhos-de-ferro Leland Stanford e um amigo, Frederick MacCrellish. Como este não acreditasse que um cavalo mantivesse as quatro patas no ar em momento algum do galope, Stanford encarregou Eadweard Muybridge de descobrir a verdade. Inglês, na época trabalhando na Califórnia, decidiu a aposta em 1887, através de provas conclusivas como vemos pelos três quadros sem cortes, acima. Foram utilizadas doze câmaras providas de obturadores electromagnéticos, além de um circuito eléctrico para o disparo. O trabalho depois desenvolvido por Muybridge e outros preparou o terreno para o advento dos filmes cinematográficos.
Voce prime o botão
“Você prime o botão, nós fazemos o resto”
George Eastman a bordo de um navio, em 1890, dois anos depois do lançamento da máquina fotográfica que deu início à sua fortuna e tornou a fotografia antes um processo trabalhoso e caro acessível a milhões de pessoas.
A kodak
A Kodak
A Kodak dispensava toda a complicada manipulação de chapas necessárias ao processo anterior. Se assim o desejasse, o próprio dono poderia revelar o filme, embora fosse mais fácil mandar a câmara de volta para a fábrica, pois ela era devolvida novamente carregada, e com cem cópias, montadas sobre cartão. Durante os doze anos subsequentes, Eastman não cessou de reduzir o preço das suas máquinas nem de aperfeiçoá-las. Os seus esforços foram coroados em 1900 com a Brownie, cujo funcionamento constituía uma brincadeira de criança, ao preço de 5 xelins, ou 1 dólar. Grande filantropo americano, suicidou-se aos 78 anos, em 1932: “Cumpri a minha missão, para quê esperar?”
 
 
 
 
 
 
 
CONCURSOS


Concurso de Fotografia da National Geographic
2011

As inscrições começam no dia 01 setembro de 2011
e termina 30 de novembro de 2011. Cada entrada consiste em um formulário de inscrição, uma única imagem, e uma taxa de ingresso. A taxa de inscrição é 15 dólares EUA por ingresso.
Para participar, visite
www.ngphotocontest.com

Prais de Albufeira
Concurso de fotografia "Descobre e Fotografa as Praias de Albufeira"
edição de 2011
Mais informações: http://www.cm-albufeira.pt



II Prémio de Arte Grünenthal
Grünenthal Pharma S.A.
(Grünenthal) convida o II Prémio de Arte Grünenthal,
“Que a dor não seja mais do que uma recordação”
dedicado em 2011 à
fotografia, de acordo como seguinte regulamento em:
http://www.grunenthal.pt



"Olhares sobre o Património Ribeirinho»
1.º Concurso de Fotografia “Olhares sobre o Património Ribeirinho” é promovido pela Associação Naval Sarilhense, e, conta com o apoio da Administração do Porto de Lisboa, Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia de Sarilhos Pequenos, Instituto de Dinâmica do Espaço da Universidade Nova de Lisboa e Turi-Portugal – Associação de Turismo de Portugal. Concurso estará a decorrer até ao dia 14 de Outubro.
http://www.rostos.pt



Concurso de Fotografia: Floresta, a nossa herança global
No âmbito do Ano Internacional das Florestas, a LPN e a Caixa Geral de Depósitos promovem um Concurso de Fotografia sobre a Floresta Portuguesa “Floresta, a nossa herança global”, que decorrerá entre 15 de Julho e 25 de Setembro de 2011.O concurso de fotografia tem como objectivo sensibilizar o público para o património florestal de Portugal, incentivando cada um de nós a ter uma atitude mais sustentável e uma maior consciencialização ambiental para a preservação e conservação de todo o ecossistema florestal. O desafio consiste em captar, através de uma fotografia, todo o magnetismo inerente à floresta.
http://naturlink.sapo.pt/



NOVO TALENTO FNAC FOTOGRAFIA 2011
O Prémio Novo Talento FNAC Fotografia 2011 é o destaque que a FNAC dedica a fotógrafos promissores e ainda desconhecidos que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho, à margem das correntes,
desprendido de estilos e de modas. O Prémio Novo Talento FNAC Fotografia 2011 está aberto a qualquer
tendência fotográfica, sem excepção, permitindo assim que se revelem novos valores e novas perspectivas da Fotografia. A convocatória para entrega de candidaturas decorre de 3 de Junho a 30
de Setembro de 2011.
http://cultura.fnac.pt/
novostalentos/fotografia/2011